29
Mai 12



Com este segundo livro regresso à trilogia das Jóias Negras de Anne Bishop. O primeiro livro, A Filha do Sangue apresentara-se com um início difícil devido ao mundo complexo que Bishop criou, e senti que apenas consegui aproveitar totalmente a segunda metade do livro, quando compreendi o universo do livro.
Com o universo compreendido este segundo livro torna-se muito mais constante, fácil de ler, e indiscutivelmente mais viciante. Em termos globais, a qualidade deste livro não me pareceu superior nem inferior ao anterior, no entanto são muitas as diferenças.

Uma das grandes diferenças entre os dois livros é a importância de Daemon e Lucivar. Se no primeiro Daemon foi uma figura central, agora a autora olha mais para Lucivar, aprofundando a sua personagem e passado, levando a uma melhor compreensão das suas atitudes. Graças a esta mudança foi interessante ver que são estes dois personagens que moldam a forma como a autora escreve. Com Daemon em evidência no livro anterior a escrita de Bishop foi forte, cruel, erótica e com um toque de suspense no ar. Com Lucivar a “dominar” este livro temos o humor negro, a protecção e amizade. Esta diferença agradou-me imenso, pois levou a autora a não “carregar” demasiado a história sempre nos mesmos temas e formas de a expor. Mais interessante ainda será perceber para que lado cairá a balança no último livro.

Foram poucos os pormenores que não apreciei neste livro. No geral a história é demasiado centrada em três personagens, ao ponto de nem ter decorado alguns dos nomes dos amigos de Janelle (personagens que neste livro servem apenas para sustentar a personalidade, cheia de amizade, da (...)

Para seguir no blogue Ler y Criticar

publicado por saidaemergencia às 17:41

Novidades