24
Dez 09


Sou uma pessoa que gosta de ser encantado (sense of wonder, como lhe chamam os ingleses) pelos livros e filmes que vê. E sou-o frequentemente com obras que nada têm a ver com o género do fantástico. Mas, como fã desta corrente artística, reconheço que é aí que encontro o que mais mexe comigo.

Fui ver AVATAR (recomendo versão 3D) e fiquei apaixonado, rendido – en-can-ta-do! É óbvio que este filme é, antes de mais nada, dirigido aos sentidos do espectador. Mas a história está lá, fazendo lembrar o maravilhoso Danças com Lobos de Kevin Coster, e funcionando como uma metáfora fiel para aquilo que o Homem é: um animal predador, implacável e impiedoso. Nada do que acontece naquele planeta distante, chamado Pandora, não aconteceu antes na América Central às mãos dos espanhóis, na Índia às mãos dos ingleses, em África às mãos dos portugueses, e um pouco por todo o lado, sempre que uma civilização tecnologicamente superior e infinitamente ambiciosa, se cruza com outra menos desenvolvida. Mas a triste história da nossa crueldade já todos a conhecemos da escola. Chocante é ver, em AVATAR, um futuro que não é mais humano nem mais verde (como todos agora sonhamos), mas um futuro igual ao pior que a História da Humanidade tem para contar. Dirão os fãs de ficção científica que esse é um tema recorrente no género e nada tem de original. Mas lembremo-nos: AVATAR não foi feito para surpreender os fãs de fc, foi feito para encantar todos os espectadores. E, na minha opinião, consegue-o.

Comecei por dizer que AVATAR é, antes de mais nada, dirigido aos sentidos. A ilustrar a história deste futuro distópico está o melhor que o cinema tem para oferecer em efeitos especiais e catalisadores de sentidos. Deixou de haver fronteira entre a realidade e o digital. Mentes brilhantes e criativas desenvolveram uma Pandora cuja fauna e flora vai deixar os biólogos a babar. Os Na’Vi, nativos desse mundo extravagante e paradisíaco (mais uma vez a fazer lembrar os Sioux de Danças com Lobos), são interessantes e complexos. As máquinas humanas convincentes e assustadoras. James Cameron não nos convida a entrar no seu mundo, ele empurra-nos para lá sem piedade. E para quem tinha de agradar a gregos e troianos (penso que o filme é para maiores de 6), AVATAR é um triunfo.

Luis CR [editor]

publicado por saidaemergencia às 16:30

7 comentários:
Partilho da sua opinião Luis, Avatar é sem dúvida um dos melhores filmes que tive oportunidade de ver. Adorei do início ao fim.
Houve quem dissesse que misturar uma história de amor com ficção científica não seria a melhor escolha, discordo plenamente e acho que o filme provou que ambas podem muito bem conviver juntas.
Já agora o filme é para maiores de 12 anos, se bem me recordo.

Isabel
Isabel a 26 de Dezembro de 2009 às 09:36

"Mentes brilhantes e criativas desenvolveram uma Pandora cuja fauna e flora vai deixar os biólogos a babar."

Yeap. Sobretudo para explicar como é que num planeta predominantemente verde os nativos são.. azuis. Ou não há e nunca houve predadores... ou não há nem nunca houve mentes brilhantes atrás de AVATAR.

Abraços,

Seixas

Viva, Seixas,
Se me explicares a cor que tens no planeta Terra, eu explico-te a cor que os Na'vi têm em Pandora.
Luis CR [editor]
saidaemergencia a 29 de Dezembro de 2009 às 10:17

Pois, realmente, nós também não somos propriamente verdes.
Francisco Norega a 29 de Dezembro de 2009 às 16:29

Olá Luis... Concordo plenamente com o post... Avatar relata (em Pandora) o que se passou e ainda vai passando em relaçao aos nossos nativos... Ao que vi na internet parece que James Cameron já pensa em Avatar 2... Espero sinceramente que sim pois este filme superou as espectativas (que já eram altas)...
Bastante bom...
sara correia a 30 de Dezembro de 2009 às 20:30

Realmente o filme Avatar está espectacular. Por acaso fui arrastada para o cinema sem ter lido nada mesmo sobre o filme(embora exista informação a jorros) e por acaso vi em 3D o que ainda me deixou mais deliciada.
A ligação que os Na'vi têm com a fauna e flora do planeta Pandora é surpreendente, deviamos aprender algo com este filme, quanto mais não seja a respeitar a nossa propria fauna e flora que qualquer dia vai desta para melhor...

E este é um comentário de uma bióloga babada =)

Joana a 9 de Fevereiro de 2010 às 19:27

Eu também gostei bastante do filme. Mas principalmente pela parte da flora e fauna. O conceito está muito bem estruturado e conseguido. Fiquei completamente rendida a Pandora. Realmente foi uma delícia para os olhos desta Bióloga. =)
Joana C. a 16 de Fevereiro de 2010 às 14:30

Novidades