31
Ago 11

Mago-III.jpg - 180x261 - 105.79 kb

Na minha opinião aos dois livros anteriores desta saga, usei a palavra "Obrigatório", não só porque preenchia o essencial para ser obra-prima do género como também era viciante ao ponto de o lermos de seguida e nos dar prazer ao fazê-lo. Com esta continuação levantei algumas dúvidas sobre o caminho que Feist poderia dar à saga mas não fiquei desiludido agora que o acabei, principalmente porque existe uma boa ligação com a história dos primeiros. Esta surpresa deve-se essencialmente ao facto de no fim de "O Mago - Mestre" ficar a sensação de que a história acaba, ficando apenas as personagens para em novos livros apresentarem novas histórias. Contudo a ligação é forte o suficiente para Espinho de Prata ser considerado uma verdadeira continuação. Esta ligação é um dos pontos fortes para quem gostou dos livros anteriores, como eu.
No entanto os desenvolvimentos calmos e pacíficos do início deste livro levam-nos para uma história mais negra, menos épica, sem a guerra generalizada dos livros anteriores mas com mais acção. É esta quantidade de acção que me fez ler o livro numa semana, quase sem parar. O ritmo que Feist dá a este livro é elevadíssimo, sem a necessidade de explicar ou apresentar personagens e mundos, como nos livros anteriores, Feist coloca a sua escrita simples numa história que não tem quebras de ritmo, e o resultado é um conjunto de 400 páginas incrivelmente viciantes onde um pequeno (...)

Para seguir no blogue Ler y Criticar.

publicado por saidaemergencia às 15:21

Novidades