30
Jun 11

Batalha.jpg - 180x259 - 46.51 kb

Por vezes gosto de ler algo que seja realmente diferente. Algo que passe a linha que actualmente define a base dos romances, sejam eles fantasia, ficção, policiais, etc... e assim fugir um pouco à rotina. Desta vez tive nas minhas mãos este livro de um autor que não conhecia.

Batalha apresenta-se primeiro como um livro suave, com alguma filosofia e algumas questões onde o autor usa o mundo dos ratos como metáfora para o nosso próprio mundo, mostrando a insignificância de muitas coisas palpáveis, sendo por vezes muito mais significante aquilo que não se vê com os olhos. Confesso que nessas primeiras páginas julguei que estava a ler uma nova versão de "O Principezinho". Foi uma sensação má? Não...

Quando cheguei perto da página cinquenta, mais coisa menos coisa, já David Soares me começava a presentear com alguma crueldade e as suas questões mudam para uma vertente mais negra, e nessa altura da leitura, ao reparar na introdução da "imagem" da não aceitação do estranho por parte de algumas personagens pouco importantes, julguei que estava a ler uma nova versão de "O Deus das Moscas". Foi uma sensação má? Não...
Foi ligeiramente mais à frente que me apercebi que na realidade não estava a ler nenhuma nova versão do que quer que seja, pois efectivamente estava a ler algo novo, e isso agradou-me bastante. Com uma escrita, por vezes fácil, por vezes exaustiva, David Soares consegue dar uma autenticidade que nos prende ao livro. Com as suas questões e metáforas que por vezes nos embalam numa página, para na seguinte nos agredirem com novas perguntas, Soares dá-nos diálogos rápidos e de (...)

Para seguir no blogue Ler y Criticar.

publicado por saidaemergencia às 12:12

comentário:
esta review está simplesmente incrivel!
Cláudia a 30 de Junho de 2011 às 13:05

Novidades