13
Nov 09


Porque concordo com o fundamental deste comentário que nos chegou de um leitor, decidi partilhá-lo convosco. Quem ficar com curiosidade em ler o referido artigo, só tem de clicar na capa da Bang nº 5, em cima, e fazer o download gratuito da revista.

 «Gostei bastante do artigo,ou «conversa» que o senhor Soares juntamente com António Macedo e João Seixas elaboraram sobre a temática da Literatura Erudita versus a Literatura Popular na revista Bang nº 5. É um tema recorrente quando se discute literatura, sobretudo por parte dos interlucotores que se manifestam em desagrado com a literatura de «género», uma forma de preconceito que tem por base a ignorância, como muitas vezes dou conta em conversas de café (é engraçado constatar que o mundo podia mudar radicalmente, se as conversas de café tomassem forma, em vez de não passarem disso mesmo, conversas de café...).

 Tenho 25 anos e posso dizer que a grande maioria dos meus amigos lê livros, mas não sabe ler. Este paradoxo deve-se a uma falta de bases e a uma crescente tendência (visto que os novos leitores não escolhem os livros, são escolhidos por eles) em se ler Dan Brown e Nicholas Sparks, entre muitos outros fenómenos atrozes, que são a base de leitura do número crescente de leitores em Portugal. O que é curioso, pois assim aumenta o número de leitores que não sabem ler!

 Estou a divagar e peço desculpa se pareço pretensioso. Só para dizer que gostei bastante de um artigo que toma uma posição que eu defendo: tiro o mesmo prazer da leitura de Jorge Luis Borges como do Stephen King, sinto a mesma inferioridade intelectual e deslumbramento quando leio Umberto Eco ou Poe, acho que o Fernando Pessoa iria adorar travar conhecimento o Lovecraft. O mesmo acontece com o cinema, o «género» fantástico ou de terror continua estigmatizado, falem-me de um grande um autor e falo de pelo menos uma obra de «genéro» na sua filmografia, Mélies, Murnau, Lang, Bergman, Kubrick, Fellini, entre muitos outros. E tentar convencer que o Alan Moore é um dos maiores génios creativos da actualidade é uma verdadeira tour de force, só porque é autor de BD (entre outras coisas...)! E o mesmo se aplica a outras expressões artisticas, só é pena que a vossa tertúlia tenha surgido nas páginas da revista Bang, porque estão a ensinar a missa ao padre, não são o público a que deviam tentar chegar, nós já estamos «convertidos» (risos).
Pergunte ao seu amigo António de Macedo quando volta a fazer um filme, talvez...A Conspiração dos Antepassados ;-)

Cumprimentos
RB»

Luis CR [editor]
PS: quero só dizer que nada tenho contra os autores Dan Brown ou Nicholas Sparks, pelo contrário, adoraria ser editor tanto de um como do outro.


publicado por saidaemergencia às 14:55

comentário:
Caro Grupo Saída de Emergência

Achei interessante esta iiniciativa de editar um comentário de um jovem muito perspicaz.
Este é um dos temas que mais me fascina. Como definir Literatura Erudita e Literatura Popular? Aliás, como definir Literatura?
Interessante também quando refere que os seus amigos "não sabem ler". Aqui "ler" para descodificar?, interpretar?, reflectir?

Gostei do paralelismo de autores (prefiro esta designação à de escritores) que o jovem faz e partilho a sua opinião: "há um estigma de géneros literários, o fantástico, o terror" e a ficção científica. E concordo que a BD tem sido injustamente subalternizada.
Um debate interessante que se podia alargar a outras audiências.
Cumprimentos
Ana Fernandes
Ana Gabriela A. S. Fernandes a 14 de Novembro de 2009 às 19:07

Novidades